História de BarretosOs fundadores da cidade vieram do Sul de Minas Gerais, em torno de 1830 e organizaram dois núcleos conhecidos naquela época como Fazenda Fortaleza, pertencente à família Barreto, que se desenvolveu a partir do local onde hoje é conhecido como “Marco Zero” do município, entre dois córregos que cortam a cidade. Há o outro núcleo, a Fazenda Monte Alegre, da família Marques, que teve suas edificações onde está o atual Largo do Rosário.

Por volta de 1854, atendendo ao pedido de seus patriarcas, as famílias fizeram doação de terras ao Patrimônio do Divino Espirito Santo para a construção de uma capela que foi erguida onde hoje está instalado o Sindicato Rural Vale do Rio Grande, o primeiro Sindicato da categoria fundado no Brasil. Como a família Barreto fez uma doação de área três vezes maior que a família Marques, a cidade foi batizada de BARRETOS em homenagem à referida família. A divisão do patrimônio foi realizada pela Paróquia, como as terras lhe pertenciam, que organizou as quadras e outras porções de terras. Em 1870, uma geada muito forte dizimou a densa floresta e campos existentes. Em seguida a área foi atingida por intenso e incontrolável incêndio de proporções jamais vistas, que ao final trouxe a possibilidade de aproveitamento dos campos para a agropecuária.

Com o desenvolvimento da agricultura e da pecuária, chegam à região a ferrovia Companhia Paulista de Estrada de Ferro e a Companhia Frigorífica Anglo Pastoril, de propriedades de ingleses, o que gerou novos empregos, estimulando o crescimento econômico e demográfico da cidade e região. Atualmente a cidade é uma das principais economias do Estado e busca em suas ações promover o desenvolvimento local com o apoio da inciativa privada, que escolhe a cidade para investir em setores como indústria, agronegócio, comércio, saúde, turismo e prestação de serviços. A cidade está localizada ao norte do Estado de São Paulo, distante 425 km da Capital, com população estimada de 114 mil habitantes. Podemos dizer que Barretos é o eixo de ligação entre Estados importantes da nação, pois as rodovias que cruzam a cidade possibilitam a ligação para qualquer região do país. O clima predominante é quente e seco, sendo que no verão as temperaturas médias registradas variam entre 30 a 38 graus e no inverno entre 13 a 20 graus Celsius.

Na economia, a agropecuária sempre foi destaque na cidade devido à criação de gado, que aliada à implantação de frigoríficos tornou a cidade conhecida mundialmente pela qualidade dos produtos aqui gerados. Com isso, o comércio e a prestação de serviços também se desenvolveram e atualmente possuem papel relevante no desenvolvimento local. Além desses aspectos, a cidade possui o maior centro médico da América Latina em tratamento do câncer, a Fundação PIO XII, mantenedora do Hospital de Câncer de Barretos e do Hospital São Judas Tadeu de Barretos, que realizam atendimentos totalmente humanizados para os pacientes do SUS de todos os estados brasileiros. Na área educacional, a cidade possui diversas Instituições de Ensino que contribuem para a formação profissional dos cidadãos barretenses. O grande diferencial que a cidade apresenta aos seus visitantes é exatamente a preservação dessa cultura sertaneja e uma cidade do interior acolhedora, que preserva suas raízes e gosta de compartilhar essas vivências e experiências.